domingo, 27 de novembro de 2016

D o i s

Hoje.
Dois anos de: Jake Bugg. Moondogs. Shows. Tatuagem. Músicas. Augusta. Glow. Torneio de tênis. Karaokê. Cinema. Filmes. Autógrafos. Livros. Textos. Coisas novas. Exposições. Frappuccino Mocha. Jack Daniel's. Paulista. Fran's Café. Bacon. McDonald's. Coca. Burger King. Pepsi. Fini. Mania de Churrasco. Gelato da Parmalat. Starbucks. Spoleto. Suposições. Sonhos. Surtos. Sorvete. Signos. Simplicidade. Sintonia. Sono. E outras coisas com S.
Nós. Paciência. Teimosia. Preguiça. Orgulho. Erros. Acertos. Companhia. Preocupação. Confiança. Desabafos. Cuidado. Importância. Lágrimas. Piadas. Cócegas. Implicâncias. Brigas. Amizade. Amor.
Trem. Planos. Linha 8. Linha 9. Hotéis. Ar condicionado. Ventilador. Madrugadas. Fotos guardadas. Ciúmes. Abraço. Perfume. Coincidências. Loucuras. Gregório. Schopenhauer. Woody Allen.
Dois de muitos.
Turkey.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Eu não quero mais molhar meu travesseiro todas as noites
Com lágrimas de saudade
Eu não quero mais sentir sua falta
Sentir falta de tudo o que a gente fazia e que parei de fazer

Eu queria saber de você, se seus dias estão normais 
Se você não pensa em mim, se você não sente minha falta
Se você ainda escuta nossa música 
Se abriu os garfos que comprei
Se usou a caneca que te dei

Queria saber se tem um pedaço de mim por aí ainda,
Porque o vazio está aqui

Mas sinto que a resposta é não para todas essas perguntas e
Prefiro ficar na incerteza do que confirmar essa dor
Prefiro deixar tudo distante
Prefiro continuar te deixando ir

domingo, 23 de outubro de 2016

um grande vazio

um dia cheio. muitos compromissos. muitas pessoas. ansiando pela noite. pelo silêncio.
a noite chega, o silêncio também. e o vazio. um grande vazio.
nenhuma mensagem. nenhuma companhia. a música de sempre no repeat.
pés descalços, pijama. e lágrimas que não se envergonham de cair.
pensamentos que passeiam entre os amigos, o que cada um esta fazendo neste momento e porque ela está sozinha agora.
sua companhia bastava em muitas das vezes, gostava de ficar sozinha e tranquila. mas não sempre.
toda a negatividade vinha à tona.
onde está o vinho? tem algo mais forte?
memórias felizes passam por sua cabeça, parecem distantes.
a vida vai acontecendo e afastando os momentos, as pessoas.
e enchendo o tempo disponível com coisas que nos fazem perder tempo.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Tenho medo que você encontre alguém que seja melhor pra você do que eu sou. Que faça o que não faço, que faça mais. Que seja tão boa pra você que você só queira à ela. Medo que esqueça dos nossos momentos, medo que não me queira mais.
Não venha me dizer que gosto de você.
Gosto sim.
Mas diga que é egoísmo meu. Obsessão. Loucura. Qualquer coisa.
Só não diga que é amor. Não diga que eu te amo.
Porque não posso conviver com isso.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Eu não sou daquelas que se desapega fácil do mesmo jeito que se apegou. Não, eu me agarro à memórias, à pessoas, à risadas. Sou difícil de ir embora, de pegar as malas, acenar um "adeus" e te deixar na porta me vendo partir.
Mas sou fácil de partir ao meio, sou uma caixa de papelão com um enorme adesivo que me nomeia frágil, pedindo por favor, para você ter cuidado quando me carregar por aí. Eu quebro como vidro, mas não te corto. Não machuco sua pele, deixo que o sangue que escorre seja somente meu.
Eu não sou de guardar rancor, porque no meu coração enorme, só tem espaço pro amor. Não sou daquelas que consegue fingir que você não existe se esbarrar com você na fila do cinema, não mesmo. Eu derrubo a pipoca, a coca, e capaz de até cair em cima de você só no susto. Não sei fingir não sentir o que eu sinto.
E é por isso que eu te digo que vá devagar quando for me atropelar com tudo, porque eu posso não me recuperar da batida. Pode ser que eu te desculpe pela milésima vez de braços abertos SE você merecer, mas não é porque não gosto de ir embora, que eu não aprenda o caminho.

sábado, 27 de agosto de 2016

Acordei com aquela leve ansiedade, uma velha conhecida minha, a ansiedade que sinto todas as vezes que vou encontrá-lo. Dessa vez preciso me controlar o dia inteiro, vamos nos encontrar no fim da tarde.
Incrível como uma onda de tranquilidade passa dele pra mim, um abraço e meu coração se acalma, uma nuvem de preocupações e problemas voam para longe.
Fomos ao cinema, assistimos ao mais novo filme do Woody Allen, o clima estava muito agradável e o filme tinha todo aquele ar antigo.
Ele disse que não gostou do final do filme, disse que queria que o casal principal ficasse junto. Eu gostei e disse que talvez tenha sido melhor assim, pois deixa o filme mais realista.
Tem uma música que eu gosto muito e nessa noite consegui sentir o significado dela de outra forma: sinto o amor, quando estou com você, ao mesmo tempo que a esperança está bem próxima, mostrando-se quando sua mão esbarra na minha e meu coração quase salta pela boca achando que você vai segurá-la; e miséria, sim, quando estamos nos despedindo, quando não vamos embora juntos, quando estamos longe e dias sem se falar... Love, hope and misery, juntos, não como fases esperando um acabar para outro começar.
Agora volto pra casa e não vou ouvir música, não posso arriscar deixar o aleatório me pregar uma peça e tocar músicas que me farão chorar, pois o copo está quase transbordando e uma lágrima chamaria várias para descer pelo meu rosto.
Vou manter meu pensamento aquecido e calmo dentro do seu abraço.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Eu sinto frio, sempre senti bastante frio, ultimamente percebi que estou gostando bem mais do verão, mas isso não quer dizer que eu não saiba apreciar um belo dia nublado, geladinho...
Mesmo de jaqueta, bota e lenço, ainda sinto frio... mas é engraçado que quando estamos juntos, quando estou despida com você, mesmo com o frio da cidade lá fora, me sinto aquecida, aquecida por você, por seu carinho, por seu corpo... já te falei como você é quentinho? Já, né? Inúmeras vezes. Seu calor me aquece.
Mas agora eu sinto frio. 
Estou com meu moletom quentinho, touca, pantufas, mas sinto frio. Sinto sua falta. De tanto me segurar para não falar com você, uma lágrima se forma, chamando outras para descer pelo meu rosto. Estou arrepiada. Quero sentir o seu calor passando pela minha pele, quero sentir essa sensação de estar aninhada em você, sentir o calor do seu peito, o conforto do seu colo.
Está tarde, você deve estar dormindo.
Sonha comigo? Por favor, sonha comigo esta noite e acorde sentindo minha falta, diz que vai me ver no final de semana, que está com saudade, vamos ver um filme juntinhos e tomar cerveja.
Se isso não acontecer, vou esperar que ao menos o sol amanhã apareça e me aqueça o suficiente para não sentir sua falta.

domingo, 10 de julho de 2016

Hoje eu acordei com medo e um pouco triste.
Sabe aquele medo que começa a sufocar?
É domingo de manhã, mal abri meus olhos, dei uma volta pela casa arrastando os pés, passos lentos, porém minha cabeça já começou a trabalhar e despertou meu medo.
Medo de não conseguir tudo o que eu sonho, medo de não chegar à lugar algum, medo de só passar por essa vida e ser uma pessoa frustrada.
Me sinto perdida.
Se eu continuar fazendo exatamente o que estou fazendo agora, será que vou conseguir o que eu quero? Em quanto tempo?
Três casamentos marcados, casa comprada, viagem sem data pra voltar... Cada uma construiu algo.
O que estou fazendo? Onde quero chegar? Mas e se eu nunca chegar? Arriscar, arriscar e mais nada. Temos todo o tempo do mundo e ao mesmo tempo, não temos tempo.
Quando tiver tempo, vou ter dinheiro?
Mas e a saúde?
Vou aproveitar?
Vou olhar pra trás e enxergar o que?
Sonhos incompreendidos, sentimentos que tento reprimir. Onde está meu coração de gelo? Sou capricorniana.
Onde está tudo aquilo de bom que me desejam e tudo aquilo que mereço? Quando vou colher os frutos das boas sementes que planto e cultivo?
2/3 de café, 1/3 de leite frio.
Página 238, capítulo 19.
Esfrego os olhos e leio, mais uma vez absorta no meu livro favorito, onde tudo pode acontecer.



segunda-feira, 13 de junho de 2016

Nós pagamos pelos nossos erros e pelos erros de outros.


P.

quinta-feira, 10 de março de 2016

"Um momento de FELICIDADE é um momento que você não gostaria que acabasse tão cedo, um momento que você desejaria a eternidade, um momento que você gostaria muito que durasse mais tempo." (Prof. Clóvis De Barros Filho)

sábado, 6 de fevereiro de 2016

O mundo dos adultos é meio solitário. Você tem amigos, sua família continua por perto, mas no final das contas a única pessoa que realmente estará ao seu lado para sempre é você e tudo aquilo que acredita. Na segunda ou terceira vez a maioria das coisas perde um pouco a graça. Então você tem que continuar tentando encontrar algo que te faça feliz.