segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Tenho medo que você encontre alguém que seja melhor pra você do que eu sou. Que faça o que não faço, que faça mais. Que seja tão boa pra você que você só queira à ela. Medo que esqueça dos nossos momentos, medo que não me queira mais.
Não venha me dizer que gosto de você.
Gosto sim.
Mas diga que é egoísmo meu. Obsessão. Loucura. Qualquer coisa.
Só não diga que é amor. Não diga que eu te amo.
Porque não posso conviver com isso.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Eu não sou daquelas que se desapega fácil do mesmo jeito que se apegou. Não, eu me agarro à memórias, à pessoas, à risadas. Sou difícil de ir embora, de pegar as malas, acenar um "adeus" e te deixar na porta me vendo partir.
Mas sou fácil de partir ao meio, sou uma caixa de papelão com um enorme adesivo que me nomeia frágil, pedindo por favor, para você ter cuidado quando me carregar por aí. Eu quebro como vidro, mas não te corto. Não machuco sua pele, deixo que o sangue que escorre seja somente meu.
Eu não sou de guardar rancor, porque no meu coração enorme, só tem espaço pro amor. Não sou daquelas que consegue fingir que você não existe se esbarrar com você na fila do cinema, não mesmo. Eu derrubo a pipoca, a coca, e capaz de até cair em cima de você só no susto. Não sei fingir não sentir o que eu sinto.
E é por isso que eu te digo que vá devagar quando for me atropelar com tudo, porque eu posso não me recuperar da batida. Pode ser que eu te desculpe pela milésima vez de braços abertos SE você merecer, mas não é porque não gosto de ir embora, que eu não aprenda o caminho.